FALE COM O PRESIDENTE FALE CONOSCO Facebook Twitter Flickr
UGT


Home  >  Notícias
Home  >  Notícias

NOTÍCIAS

Empresas de médio porte são as que menos contratam mulheres


06/07/2017

As empresas de médio porte são as que menos contratam mulheres no Brasil. Entre as empresas desse porte, os homens ainda compõem mais de 60% dos empregados, segundo o IBGE.

 

O quadro é mais favorável às mulheres em companhias de grande porte (com 250 empregados ou mais), em que a participação feminina chegou a 46,4% em 2015. As pequenas empresas ficam em segundo lugar em termos de participação feminina (45%).

 

As empresas de médio porte (de 50 a 249 empregados) eram responsáveis em 2015 por 14,8% do total de assalariados do país e 12,5% do volume de remuneração pago.

 

O levantamento feito pelo IBGE aponta uma ligeira melhora na participação feminina no setor privado entre 2010 e 2015: o percentual de mulheres assalariadas evoluiu de 36,2% para 38,8% no período, considerando esse mercado como um todo.

 

Na administração pública, em que a seleção é feita por concurso, elas continuaram a ser maioria. O quadro, contudo, é de estabilidade: tanto em 2010 quanto em 2015 elas compunham 58,3% dos empregados no setor.

 

Houve avanço por outro lado nas entidades sem fins lucrativos, onde as mulheres ampliaram sua participação de 53,3% para 55,8% em cinco anos, enquanto o percentual de homens caiu na mesma proporção.

 

Uma novidade do período é que as mulheres passaram a dominar o campo das atividades profissionais, científicas e técnicas. Enquanto em 2010 elas correspondiam a 47,3% dos ocupados na área, em 2015 essa fatia subiu para 50,6%. Uma das razões para essa mudança é o melhor nível de qualificação médio das mulheres, que detêm mais diplomas de ensino superior e pós do que a população masculina, em média.

 

Por outro lado, a participação feminina recuou 0,8% nas atividades ligadas a eletricidade e gás –uma das áreas que apresenta os melhores níveis de remuneração– e no campo da educação, onde o percentual de mulheres caiu 1,6% entre os anos de 2010 e 2015.

 

SALÁRIOS

 

A diferença entre os salários pagos para homens e mulheres continua grande, segundo o levantamento feito pelo IBGE.

 

Em 2015, elas ganhavam o equivalente a 81% dos salários dos homens, em média (R$ 2.708,22 vs. R$ 2.191,59).

 

Em relação a 2014, ano de início da recessão, a população assalariada em geral sofreu uma redução salarial média de 3,2%. A queda, contudo, foi menor entre as mulheres (-2,3%) do que entre os homens (-3,5%) empregados no setor formal.

 

Por outro lado, pesquisa recente do Ipea mostrou que a distância entre a jornada de trabalho de homens e mulheres vem aumentando –ao contrário do senso comum. 

 

Fonte: Folha de SP





logo

Sindicato dos Comerciários de São Paulo


Rua Formosa, 99 - Centro - Anhangabaú - São Paulo/SP - 01049-000 - Tel.: (11) 2121-5900
ugt