FALE COM O PRESIDENTE FALE CONOSCO Facebook Twitter Flickr
UGT


Home  >  Notícias
Home  >  Notícias

NOTÍCIAS

Inadimplência das famílias não muda com FGTS inativo


30/06/2017

Mesmo após três meses de saques nas contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a inadimplência entre as famílias brasileiras seguiu nos níveis do início do ano. Foram cerca de R$ 27 bilhões injetados na economia de março a maio, mas mesmo assim, o índice de inadimplência das famílias em operações de crédito encerrou maio em 5,9%. O porcentual é idêntico ao verificado em fevereiro, antes do início dos saques.

 

Os dados, divulgados ontem pelo Banco Central, referem-se às operações de crédito livre – ou seja, não incluem recursos da poupança e do BNDES.

 

Em fevereiro, quando o presidente Michel Temer anunciou, em cerimônia oficial no Planalto, o calendário de saques do FGTS, o governo defendeu que os recursos serviriam para reduzir a inadimplência e o endividamento das famílias. A expectativa era de que parte dos recursos fosse usada para pagar contas em atraso, enquanto outra parcela fosse destinada ao consumo, contribuindo para a retomada do varejo.

 

Os números do BC, no entanto, indicam que a inadimplência das famílias – caracterizada por atrasos superiores a 90 dias – pouco variou no período. Ela foi de 5,9% em março, 5,8% em abril e 5,9% em maio. Na prática, parte das famílias pode até ter direcionado os recursos do FGTS para o pagamento de dívidas atrasadas, mas outra parcela dos brasileiros pode ter caído na inadimplência no período.

 

“Não sabemos como esses recursos do FGTS se dividiram. Mas, na média, a taxa de inadimplência de pessoas físicas com recursos livres nos cinco primeiros meses de 2017 ficou estável”, pontuou o chefe adjunto do Departamento Econômico do BC, Fernando Rocha.

 

Pessoa jurídica. Entre as empresas, a inadimplência piorou. Após atingir 5,4% das operações de crédito livre em janeiro, o índice subiu para 5,6% em abril e atingiu 6,0% no mês passado. Esse é o maior índice de inadimplência entre as empresas na série histórica, iniciada em 2011. “Essas taxas são baixas quando se considera o ciclo econômico”, minimizou Rocha. Considerando famílias e empresas, a inadimplência total em operações com recursos livres atingiu 5,9% – também recorde.

 

As taxas de juros cobradas em operações com crédito livre continuaram, em maio, sua trajetória de queda. Sob influência do recuo da Selic (a taxa básica de juros) e das mudanças nas regras do rotativo do cartão de crédito, a taxa média para as famílias passou de 68,3% ao ano em abril para 63,8% ao ano em maio. No caso das empresas, cedeu de 26,3% para 25,9% ao ano. A taxa média, levando-se em conta famílias e empresas, foi de 49,3% para 46,8% ao ano em maio.

 

Já o saldo das operações de crédito livre em maio subiu 1,0% no caso das famílias, mas recuou 1,6% entre as empresas. Considerando famílias e empresas, o saldo total cedeu 0,3% no mês passado e acumula queda de 2,2% em 2017. Ontem, o BC alterou sua projeção de expansão para o crédito livre este ano, de 2% para zero.

 

Na modalidade de crédito mais cara do mercado, a taxa do rotativo do cartão passou por nova redução de juros. Os dados do BC mostraram que a taxa despencou de 428,1% ao ano em abril para 363,3% ao ano em maio, patamar ainda alto.

 

Desde abril, o consumidor que não pagar a dívida no cartão – seja parte da fatura ou toda ela – vai automaticamente para o crédito rotativo. Após 30 dias no rotativo, a dívida migra para outra modalidade de crédito. Essa regra, que reduz o risco de inadimplência, abriu espaço para que os bancos cobrem juros menores também no rotativo. 

 

Fonte: Estadão


Categorizado em: Geral,



logo

Sindicato dos Comerciários de São Paulo


Rua Formosa, 99 - Centro - Anhangabaú - São Paulo/SP - 01049-000 - Tel.: (11) 2121-5900
ugt